Uncategorized

Cantinho da sabedoria

Passo rapidinho para dividir com vocês algo que fiz para o quarto de minha filha: o cantinho da sabedoria. Como a Si já sabe ler, deixei alguns daqueles ensinamentos que busco passar para ela “registrados” por escrito em seu quarto. Fiz cartazes simples e de fácil visualização.

cantinho_sabedoria

Escolhi poucas frases, sem referenciar a autoria, pois quero que se atenha à essência do que está escrito. A ideia é fazer com que não seja apenas a “mãe chata” a falar, mas que se lembre deles e possa refletir sobre os mesmos sem a minha presença.

Além do objetivo principal, contribuir para sua formação moral, estimula a prática da leitura!

Fica a dica!

GOSTO PELA LEITURA: REFLEXOS NA ESCRITA

Este final de semana recebemos o último “Relatório de Avaliação” da Educação Infantil. E a mãe coruja ficou faceira principalmente com dois trechos:

Suas escritas espontâneas são muito boas, com poucas trocas ortográficas (…) gosta de livros, adora ouvir histórias, ler para ela e para os colegas. Sua leitura é muito boa, clara e ritmada.

A Si escreve bem para sua faixa etária porque lê bastante (sozinha ou acompanhando visualmente quando leio para ela). Lê bastante porque sempre teve livros ao seu alcance e lemos muito para ela. Leituras que não são feitas no modo “automático”, mas sim com entonação, diferentes “vozes” e curtindo muito. Porque para encantar a criança com uma leitura, temos que demonstrar encantamento também!

2013-12-07 14.21.58

Desenho feito pela Si.

DE LEITORA A AUTORA: O PRIMEIRO TEXTO

Há alguns dias, a Si chegou toda empolgada da escola com seu dever de casa: elaborar uma pequena história a partir de uma sequência de imagens. Como todas as crianças da sua idade, seis anos, a Si é muito criativa e adora inventar histórias. Entretanto, passar uma história para o papel consistiu em um novo desafio. Não somente em função da escrita em si, mas pelas outras exigências de um texto que pressupõe a leitura por outro sem a nossa presença para explicá-lo.

Depois de realizar a primeira versão e perceber, com a minha ajuda, que o final do texto não tinha ficado claro para o leitor, fez a versão definitiva. A letra dela ainda é muito grande, então mesmo ocupando todo o espaço disponível e mais um parte do verso, a história é pequena. Mas se é pequena pelo tamanho, é grande pela importância em sua vida.

Reproduzo abaixo o texto, mantendo os erros ortográficos, típicos de quem está em processo de alfabetização. Exceto pelas minhas observações sobre o desfecho da primeira versão, que tinha ficado confuso, a Si fez tudo sozinha!

Em 2014, a Si iniciará o Ensino Fundamental. Serão novos desafios e, tomara, novas histórias!

Boa leitura!!!

DRAGÃO

O CAVALEIRO ESTAVA COMENDO QUANDO ELE VIU UM DRAGÃO. E PRIMEIRO ELE O CAVALEIRO FICOU COM MEDO. MÃS VEIO A MOSTERHINN* E ÈLA DICE PARA O CAVALEIRO QUE NÃO PRECISAVA TER MEDO. ELES FÍCARÃO AMIGOS PARA CEMPRE. FIM

*Monster High: trata-se de um desenho animado com personagens que são filhas e filhos de monstros/as. Faz sucesso entre a criançada – nem tanto entre as mães, ao menos esta mãe.

“Biblioteca básica”

Divido com vocês a dica que uma amiga querida me passou. Trata-se da indicação de livros para serem lidos (ou contados) do Ensino Infantil ao Ensino Médio. Essa lista foi elaborada por 18 educadores para o site “Educar para Crescer”, mantido pela Editora Abril. Vale a pena consultar, apesar dessa editora ser a responsável pela que considero como sendo a pior publicação existente em nosso país, a Veja.

A consulta pode se tornar um tanto demorada, pois é necessário clicar na idade da criança e no mês do ano para ver o título e ler o comentário que o acompanha. Essa separação tão restrita por mês deve ter o intuito de mostrar que é possível a criança ter contato (seja lendo, seja com leitura compartilhada) com todos os livros da lista. Entretanto, é óbvio que trata-se apenas de uma referência.

Lembro que li o divertido “A casa sonolenta”, de Audrey Wood, quando minha filha estava com quatro anos. E ela adorou. No site a indicação é para dois anos. Já “A árvore generosa“, de Shel Silvertein, indicada na faixa dos oito anos, foi lida e possibilitou uma ótima reflexão quando ela estava com cinco. Conto isso só para sugerir que, ao consultar essa lista, você passeie por vários meses e anos para conhecer as obras indicadas e fazer suas escolhas. Sim, suas escolhas e das suas crianças. Porque para além das indicações que consultamos, sejam feitas por “educadores” ou por “leigos”, o importante é termos os nossos próprios critérios de escolha.

Para acessar o site indicado, clique na imagem ou aqui.

Fica a dica!

FELIZ, FELIZ, FELIZ, FELIZ, MUITO FELIZ!

Sempre que posso leio para minha filha antes de dormir. Outro dia eu estava muito cansada, expliquei que não conseguiria e fui deitar mais cedo. Quando vejo, a pequena entra no meu quarto segurando dois livrinhos. Senta na cama, abre um dos livros e começa a ler em voz alta para mim. Aquela voz doce, aquela leitura de quem faz pouco tempo que navega sozinha por esses mares, aquela busca pela entonação certa. É impossível definir o que senti. Feliz, feliz, feliz, feliz, muito feliz!

DESLIGUE A TELEVISÃO

Essa tirinha da Mafalda eu peguei do blog O rato que sai da TV, que traz relatos do cotidiano de uma família que resolveu “desligar a televisão”. Na verdade, o aparelho continua sendo utilizado, mas somente para o conteúdo em DVD. Aqui em casa é assim desde o início do ano passado e tem sido muito bom.

Que tal inspirar-se nessas experiências e desligar a televisão no próximo dia 12? Aproveite para passear, brincar e ler muito com as crianças!

Fica a dica!