Companhia das Letrinhas

OS BEIJINHOS DA CECI

Capa.

Capa.

Conhecemos recentemente Ceci e seu amigo Max, criados pelo escritor francês Thierry Lenain e que ganharam forma através dos traços divertidos da ilustradora Delphine Durand. Ceci e Max são colegas de escola e têm por volta de 6-7 anos de idade.

Ceci tem toda aquela espontaneidade de uma “menina moleca” e Max é encantado por ela. Essa “paixão platônica” e seu namoro de brincadeira são típicos da idade. Ao menos se tomarmos como referência a Si e sua turma. Volta e meia sou informada de que fulana e mengano são namorados, que ciclano vai casar quando adulto com sei lá quem e assim vai. Dou muitas risadas, pois são brincadeiras para lá de inocentes.

Neste livro, Ceci pede a Max que fique sentado na escada durante o recreio porque assim saberá onde está caso queira lhe dar um beijo. Max é obediente, mas o recreio chega ao fim e nada de beijos. Essa cena se repete em outros dias até que, com ajuda da professora, Max descobre que não é porque se gosta de alguém que precisamos fazer tudo que essa pessoa quer. Ao ganhar autoconfiança para não se submeter ao capricho de Ceci, Max acaba recebendo o beijo (na bochecha, é claro!) que tanto desejava. Para as crianças fica um belo ensinamento do quanto precisamos ter amor próprio e respeito por nós mesmos para conquistar o respeito dos demais.

beijinhosceci

A ordem.

Espera.

A espera.

O diálogo inspirador.

O diálogo inspirador.

Indicado para crianças a partir dos seis anos, idade da minha filha, que adorou o livro!

Fica a dica!

Autor: Thierry Lenain

Ilustrações: Delphine Durand

Editora: Cia. das Letrinhas

Ano: 2010

Número de páginas: 32

BETO E BIA EM: DE MENTIRINHA

Capa.

Capa.

Adorou! Ganhou hoje dos avós, junto com outros livros e um brinquedo. Depois de dar uma rápida olhada em tudo, parou e leu “Beto e Bia em: De mentirinha” de um fôlego só. Não que não tenha gostado do brinquedo, ao contrário, mas é que realmente adora as aventuras dos dois ratinhos. Me chamou a atenção a fluência na leitura. O outro da coleção a Si também lê com facilidade, mas o tem já faz algum tempo.

Bia e Beto.

Bia e Beto.

Assim como no outro livro, que eu já comentei aqui, as belas ilustrações e o enredo simples conquistam a criança. Sem falar no fato de ser em quadrinhos, preferência atual da Si. Nessa história, Beto quer brincar de pirata sozinho e faz de tudo para manter longe Bia, sua irmã menor. Ao final, descobre que brincar com a irmã é mais divertido.

Fica a dica!

Autor e ilustrador: Geoffrey Hayes

Editora: Cia. das Letrinhas

Ano: 2012

Número de páginas: 32

BETO E BIA EM: NÃO PODE, NÃO

Capa. Imagem da editora.

Capa. Imagem da editora.

Já faz um tempinho que a Si gosta de histórias em quadrinhos, mas seu interesse aumentou quando passou a ler sozinha. Tem sido grande o consumo de gibis da Magali e da Luluzinha, seus preferidos.

Como eu também adorava esse tipo de história, procuro disponibilizar para a pequena. Infelizmente, no Brasil ainda são poucos os títulos de HQs destinados ao público infantil. Não me refiro aos gibis, facilmente encontrados nas bancas de revistas. Mas livros, com histórias e imagens mais bem trabalhadas. Por isso, fiquei muito feliz quando descobri o livro “Beto e Bia em: Não pode, não”.

betoebia_1O livro, de autoria de Geoffrey Hayes, traz a história de uma ratinha e um ratinho, irmãos, e suas aventuras no quintal da casa vizinha. Quando ficam sabendo que há uma criança nova na casa ao lado, querem descobrir de quem se trata. A essa curiosidade, soma-se a desconfiança de que essa criança seria a responsável pelo desaparecimento de um brinquedo de Beto. Os dois ratinhos partem em uma aventura que vai lhes render um ótimo fruto, a conquista de uma nova amizade. A relação entre irmãos está muito bem representada no livro, com a alternância de momentos de implicância e momentos de puro companheirismo.

betoebia_2As ilustrações são muito bonitas. As expressões dos ratinhos são ótimas! Como ocorre nas HQs, além das falas das personagens, temos os sons de passos etc. A Si gosta de fazer uma leitura compartilhada das histórias em quadrinhos. Assume a voz de algum personagem e me passa a de outro. Isso torna a leitura dinâmica e mais divertida.

A editora indica a leitura do livro para crianças a partir de dois anos. O presenteei para a Si quando ela já tinha cinco anos e está entre seus prediletos nos momentos em que quer ler ela mesma.

Para o Dia das Crianças eu já encomendei “Beto e Bia em: De mentirinha”. Depois que lermos conto como é.

Fica a dica!

Autor e ilustrador: Geoffrey Hayes

Editora: Cia. das Letrinhas

 Ano: 2012

 Número de páginas: 32

PEQUENO MANUAL DE MONSTROS CASEIROS

Capa.

Capa.

A escola da Si trabalha muito bem a leitura desde o início da educação infantil. Visitas regulares à biblioteca e retiradas semanais, somadas às tradicionais contações de histórias e livros da sala, são algumas das atividades que garantem o contato com os livros. E já no ano passado, penúltimo da educação infantil, a Si passou a ter leituras obrigatórias. A escola indica um livro que deve ser adquirido por todos. Esse livro é explorado de diversas formas na escola e lido em casa com a família. Em 2012, o indicado foi Planeta Caiqueria. Neste ano foram dois livros, sendo um deles o que comento agora.

O “Pequeno manual de monstros caseiros” é o tipo de livro que os pequenos não podem deixar de conhecer. O “Manual” apresenta uma série de monstros que “habitam” nas casas em que há crianças. O autor brinca com uma linguagem “científica” e dá ares de relatório de pesquisa ao livro.

Decidimos, por isso, apresentar neste primeiro volume os que chamamos “monstros caseiros comuns”, aqueles que costumam ser encontrados em todas as casas. Identificamos outras espécies – e publicaremos novos volumes à medida que nossa pesquisa avançar. (…) Esperamos que este manual venha a ser uma útil obra de consulta em sua biblioteca.

Entre os monstros “identificados” estão o Kerulógu, a monstra da impaciência; o Nundou, o monstro da possessividade e o Aiki Soo Nu, o monstro do cansaço. Descobrimos que vários desses moram na nossa casa, como Giracuca e Tagarelus, os monstros da falta de sono.

Giracuca ataca logo antes de você ir para a cama, enchendo sua cabeça de ideias malucas. Será que ainda estou com fome? Alguém me ama? Será que devo ir mais uma vez ao banheiro? Enquanto você se faz essas perguntas, Tagarelus faz você chamar sua mãe, ou acordar seu irmão, ou telefonar para sua avó. VOE! Corra o mais depressa que puder para bem longe desses monstros, feche os olhos, estenda os braços e as pernas e… durma!

A pequena adorou, riu muito desses monstros que atacam as crianças (e às vezes também os adultos). A empolgação foi tanta, que leu mais da metade do livro sozinha. E olha que tem bastante texto para quem está começando a ler sozinha.

Além do texto, as ilustrações também são muito divertidas. É garantia de muitas risadas! Tanto das crianças, quanto dos adultos. O livro foi considerado Título Altamente Recomendável pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil – FNLIJ 1998, categoria tradução/criança. Uma ótima escolha da escola da Si!

Nundou - o monstro da possessividade.

Nundou – o monstro da possessividade.

Também pela Cia. das Letrinhas saiu “Mais Um Pequeno Manual de Monstros Caseiros”, do mesmo autor, que ainda não tivemos a oportunidade de ler.

Fica a dica!

Autor e ilustrador: Stanislav Marijanovic

Editora: Cia. das Letrinhas

Ano: 2012

Número de páginas: 28

É UM LIVRO

Ainda não tive a oportunidade de ler esse livro para minha filha, mas já li comentários e vi o vídeo abaixo que apresenta a história. De forma divertida, leva a refletir sobre como o bom e velho livro se basta por si mesmo, ao contrário de todas as parafernálias tecnológicas.

Vale a pena dar uma olhada no vídeo. E incluir o livro na lista de futuras aquisições. Eu já o fiz!

Fica a dica!

Autor: Lane Smith

 Editora: Companhia das Letrinhas

 Ano: 2010

 Número de páginas: 32