cosac naify

MORANGO SARDENTO

A Si viajou com os avós, o que me dá um final de semana de “folga”. Quem tem criança sabe como são maravilhosas e como adoramos curtir cada momento com elas. Mas também o quanto nos exigem e que uma “folguinha” para nos dedicarmos a nós mesmas(os) é bem vinda. Só que… Quem diz que esta mãe aqui consegue ficar com o coração tranquilo quando sua filha está longe? Não é preocupação, sei que está super bem com os avós. É sentir falta de ouvir sua voz e suas correrias pela casa, de ser chamada a cada instante, de brincar (mesmo daquelas brincadeiras que às vezes dão um sono e não vemos a hora de que acabem), de ler junto, de ver filmes infantis bem abraçadas, de toda a função da hora de dormir, de tudo, até de suas traquinagens.

Mas, enfim, já que tenho essa folga, aproveito para atualizar o blog com mais algumas dicas de leitura. A primeira é “Morango Sardento”, que a Si vai ganhar de presente no Natal. O livro me surpreendeu positivamente. A história consegue tratar de um tema nem sempre fácil, a “autoaceitação”, de uma maneira leve e divertida.

Capa.

Capa.

A protagonista é uma menina ruiva com sardas, muitas sardas. E a menina não gosta delas. Isso porque essas sardas a tornam diferente das pessoas com quem ela convive, gerando desde curiosidade até comentários não muito agradáveis e um apelido, que serve de título do livro. A história é baseada na infância da autora, a atriz norte-americana Julianne Moore.

Sardas!

Sardas!

O foco da história não está na ação dos outros, mas sim na forma como a menina se relaciona com sua aparência física. A mensagem final não é “o mundo passou a achar ela bonita”, nem “ela passou a adorar suas sardas”. Duvido que exista alguém no mundo que ame absolutamente tudo em seu corpo. Principalmente em uma sociedade que vive nos impondo padrões cada vez mais absurdos.

Precisamos mostrar às crianças que existe um padrão estético construído e imposto, que há diferentes tipos de beleza, que elas são lindas e ajudá-las a constituir uma boa autoestima. Mas não só. Também devemos mostrar que aparência está longe, muito longe de ser o mais importante. E é essa a mensagem principal do livro. A protagonista continua preferindo não ter sardas, mas isso deixa de ser uma preocupação quando percebe que há outras coisas muito mais importantes.

As ilustrações são uma delícia. A apresentação cuidadosa do livro, que possui capa dura, o torna um lindo presente.

Super indico!

Autora: Julianne Moore

Ilustrações: Leuyen Pham

Editora: Cosac Naify

Ano: 2010

Número de páginas: 40

 

A ÁRVORE GENEROSA

arvoregenerosa

Capa do livro. Imagem da Editora.

“A Árvore Generosa”, de Shel Silverstein, é um clássico da literatura infantil. Um livro de sensibilidade ímpar, que conta a história de um menino e uma árvore. O menino adora a árvore e a árvore adora o menino. O menino cresce e acompanhamos como o passar do tempo transforma essa relação. A história é linda e emociona leitores/ouvintes de todas as idades.

A Si adora ter os livros nas mãos, poder manusear, curtir as figuras e sentar grudadinha quando leio para ela. Mas também aprecia uma boa contação de histórias. Se é assim aí na sua casa, vale a pena dar uma olhada no vídeo feito pela Revista Crescer, com a contadora de histórias e atriz Ana Luisa Lacombe. Ela é ótima! Para acessar o vídeo, clique aqui. E no site da editora você pode ver uma breve animação que apresenta o livro. Para acessar, clique aqui.

Super indico!

Título: A Árvore Generosa

Autor: Shel Silverstein

Tradutor: Fernando Sabino

Editora: COSAC NAIFY

Ano: 2006 (a primeira é de 1964)

Número de páginas: 60