WMF Martins Fontes

MATILDA

Conhecemos Matilda, de Roald Dahl (o mesmo autor de A Fantástica Fábrica de Chocolate) através do filme. Eu, já faz tempo. A Si, há uns dois anos. E ambas nos encantamos pelas aventuras dessa pequena notável que tem uma família de amargar.

O filme.

O filme.

Matilda é uma criança com dons especiais, que nasce no seio de uma família completamente dominada pela ignorância, o egoísmo e a mesquinharia. O pai é um vendedor picareta de automóveis, a mãe é uma jogadora de bingo e o irmão é uma criança cruel e idiotizada pela televisão. Matilda aprende a ler sozinha muito cedo, por volta dos três anos. Logo está frequentando a biblioteca pública, já que em casa poucas são as opções de leitura, e lendo livros bastante complexos. São os livros que lhe permitem fugir daquela realidade tão hostil e se tornam sua companhia constante. Tanto o filme, como o livro em que foi baseado percorrem rapidamente os primeiros anos de Matilda e se detêm no momento de seu ingresso na escola, quando passa a conviver com outras pessoas, algumas tão terríveis ou piores do que as de sua família, e outras bondosas e interessantes. Entre estas está sua professora, que também tem uma história de vida sofrida e se tornará sua grande amiga.

Capa do livro.

Capa do livro.

Como em outras histórias de Roald Dahl, há um olhar crítico acerca dos seres humanos, sejam adultos ou crianças. O livro desmancha a ideia de que todas as mães biológicas e todos os pais biológicos possuem um amor incondicional por seus filhos. E mostra que esse amor pode vir de pessoas sem nenhum vínculo sanguíneo, mas que desenvolvem um profundo e sólido vínculo afetivo.

O livro é classificado como “literatura juvenil”. O número de páginas, a quase inexistência de ilustrações e a densidade do texto justificam isso. Entretanto, esse tipo de classificação não deve ser limitadora de nossas escolhas. Por saber do interesse da Si por essa história, por achar que teria fôlego para acompanhar a leitura e maturidade para entendê-la, a presenteei com esse livro no início do ano passado, quando estava com cinco anos e meio. Li para ela durante aquelas férias. Foram vários dias de leitura, mas que contaram com toda a sua atenção. O fato de já conhecer a história a partir do filme ajudou para que não se “perdesse” no meio do caminho. Além disso, gostou de comparar as diferenças entre o livro e o filme.

Super indico!

Autor: Roald Dahl

Ilustrador: Quentin Blake

Editora: WMF Martins Fontes

Ano: 2010

Número de páginas: 264

Anúncios

EU SOU O MAIS FORTE

Capa.

Capa.

A Si trouxe esse livro da escola na sua retirada semanal. Gostamos bastante, então compartilho com vocês. Trata-se da história de um lobo valentão que fica se exibindo e assustando os demais, todos menores do que ele. Até que encontra um bichinho bem pequeno, que não sabe identificar. Este o contraria afirmando que sua mãe é a mais forte.

Ao longo da história, o lobo encontra com diversas personagens do universo infantil, como os três porquinhos e os sete anões, o que torna tudo mais divertido. O final da história é muito fofo, vale a pena dar uma lida bem juntinho das crianças. No caso das mães, serve até para se sentir um tantinho poderosa!

eu_sou_o_mais_forteb

eu_sou_o_mais_forte

Fica a dica!

Autor: Mario Ramos 

Editora: WMF Martins Fontes 

Ano: 2005 

Número de páginas: 16

AS TRÊS PERGUNTAS

Capa. Imagem da Livraria Cultura.

Capa. Imagem da Livraria Cultura.

De autoria de Jon J. Muth, o livro contém uma adaptação do conto “As três perguntas”, de Leon Tolstoi. Ainda não li o conto original, mas sou apreciadora da literatura russa. Então fiquei muito feliz em poder apresentar essa história para a Si.

A história começa.

A história começa.

Qual é o melhor momento para fazer as coisas?

Quem é o mais importante?

Qual é a coisa certa a ser feita?

O menino Nikolai acredita que se encontrar as respostas para essas três perguntas conseguirá ser uma boa pessoa. Nessa busca, conta com a ajuda de seus amigos animais: a garça Sônia, o macaco Gogol, o cachorro Pushkin e a velha e sábia tartaruga Leo. Percebe-se o cuidado na escolha dos nomes, explicada em uma nota do autor. Ao final da história, Nikolai descobre as respostas a partir da análise de suas próprias atitudes.

Amigos.

Amigos.

O livro contém uma linda mensagem para pequenos e grandes leitores. Não encontrei recomendação etária, mas acho que crianças a partir de cinco anos já conseguem entender a mensagem. Os maiores, então, nem se fala.

A história é ricamente ilustrada com lindas aquarelas.

Fica a dica!

Autor e ilustrador: Jon J. Muth

Editora: WMF Martins Fontes

Ano: 2012

Número de páginas: 32